27 de novembro de 2006

E disseram que o ponto final daria jeito...


Deitamos todos os dias juntos; eu e ela, esta inseparável interrogação de estimação que eu trouxe comigo do exterior. Deixo que a mesma invada meus anseios, desejos e receios. Mas ela está querendo tomar conta de mim meu Deus! Por ora faz estragos no meu tempo e me confunde os objetivos em todos os sentidos, em todas as vertentes. Há dias que sei, sou mais forte que ela, mas há também o tempo em que uma vez tomado pelo "nada acontece" desta cidade enorme e metropolitana, ela vence com demasiada vantagem.

É sacanagem... Se eu ainda conseguisse falar com a exclamação, se eu desse um ponto final... mas não! O teclado da minha vida está com defeito e digita a torto e a direito essa maldita interrogação. Cansado de pontuações, reticências e pendências, sigo a cartilha e a minha mãe me disse que ganhou uma gramática ótima hoje.

A vida pontua-me cruel e exata neste momento. Vírgulas, exclamações, pontos de interrogação, reticências, pontos finais... Tudo isso não pontua em mim nada mais.

Metralhadora de perguntas que me acorda e diz:

- Vai fazer o quê da vida?
- Vai fazer o que pro almoco?
- Vai malhar?
- Vai tocar o livro?
- Vai pagar a conta, resolver problemas?
- Vai fugir do país?
- Vai continuar nesse desencanto por todo canto?

Eu não respondo. Não sei ainda. Fico quieto, criança sendo alfabetizada, acuada no canto.

3 comentários:

Anônimo disse...

teste

Fabiana Borges disse...

me façao tantas perg. tbm..
adorei a parte do " Vai continuar nesse desencanto no canto??" me lebrou eu.rs

bjos

Jean-glés disse...

Tava aqui atraz de axiomas e encontrei essas digitais em paredes de um pez negro: "?" Dôrei seu blog, cara! A net - essa mulher, por vezes frígida de tão lúbrica - tá precisando disso. Vôu colocar entre os meus favoritos.