22 de outubro de 2009

Privilégio de maduros

No tempo da espera, evito velhos erros
Aprendo que presença não significa estar dentro
Entendo que distância não significa estar longe
Admito que amor é atemporal
E que minha inocência é amor também
E dedico horas a aprimorar meus pensamentos
Lendo e estudando, como jamais fiz,
Ao invés de padecer de promessas que me fizeram

Assim te espero
Querendo, mas sem saber se você vem
Neste novo tempo vou de encontro à mim
E encontro nós dois:
Eu e meu amor, juntos no tempo do quando
Quando nada mais é distância
E nenhum tempo desperdício
Quando o aprendizado está dado
E o aluno apaziguado.

Por tudo isso, passo dias sem pressa
E elimino torturas de ansiedade
Posto que querer logo e muito
É antecipar a verdade

Respiro fundo
e vejo o quanto há nisso de beleza.
Porque um dia já morri de certezas
que não pude oferecer.

3 comentários:

Patrícia disse...

Oi!!!David!!!Advinha quem é??É a Patrícia da UERJ,amiga se sua mãe,Rosane.Aquela mulher,francamente nunca dá sinal de vida.E você como vai???Tô com uns proj(abreviação de projetos) de pesquisa e ligada a um Grupo da USP,tem muita coisa sobre Cinema e Teatro,Artes em Geral.Entra em contacto.Mande email.Beijos Patrícia mendespatriciaprof@hotmail.com

mayra disse...

Que lindo David
Vc consegue como ninguém traduzir a alma da gente.
Já virei fã incondicional;
bj
Mayra

Patrícia disse...

David!!!Esse seu poema é lindo!!É tem muitas verdades!!Aprender,com o passado.Eu diria andar para frente e destar "nós"!!!!!Porque há pessoas com problemas e pessoas problemáticas.As com problemas vão tentado andar sempre em frente a todo o custo.Lutando,vivendo,vencendo.
Coloque meus blogs pessoais nos favoritos http://patriciafenyiz.blog.com
http://mendespatricia.spaces.live.com