26 de fevereiro de 2009

Cinzas de Intuição

Ouço o falante silêncio das coisas que não me contas
Parece mentira, mas é um sexto-sentido tanto
Que me assusta sentir esses calafrios
E ter intuições feito Pajé

Agora que tudo é claro sem eu ter sequer notícia
Vejo a poeira da cinza desta quarta cobrir tuas mentiras
Vejo que parou de brilhar a purpurina
E blocos já não há mais

Sobrou uma certeza: Abandonaste o rapaz.
Porque teu coração,
Folião cansado,
Não quer te deixar em paz.

Talvez seja loucura
Retrocesso mental
Sentimental estranhamento
Tentativa de adivinhar sem ter solicitado
Mas meu sentimento é um danado
Meu coração é um fardo
Minha intuição, um achado
Terminou agora
o que nunca deveria ter começado.

Um comentário:

Cavaleiro Andante disse...

muito boa david.
de fato, muitas coisas começam terminando...