9 de fevereiro de 2007

O dia em que o Cristo chorou

A sociedade tem sede, quer vingança. A sociedade tem sentimento reprimido de que ninguém é punido, quer justiça. A socidade tem medo, quer segurança. A sociedade chora por si própria.

Hoje arrastaram a sociedade por 4 bairros até a morte. No caminho gritava eu, gritava você, gritava o pai de alguém que foi assassinado ontem, gritavam as famílias vítimas da nossa tragédia. A tragédia está estabelecida, aconteceu, não é preciso que ninguém imagine, formule, escreva, pense, ameaçe...

João ou Hamlet? É tragédia, é sinônimo, é desespero. É teatro dos horrores. Quem morreu foi uma criança, mas quem morreu não foi uma criança... Morremos todos. Morremos hoje, quem vai nos enterrar?

Procuram-se culpados em favelas, vielas, morros, casebres mal-acabados. Somos nós os culpados. Devemos todos assinar a ficha do assassinato. Ajudamos, concordamos, compactuamos. Não, não venham com respostas rápidas ou tiradas vingativas e advindas do sangue quente que te suba ao ser acusado. Foi você, fui eu.
Eu me entrego, eu sou culpado.
Eu te entrego, somos uma quadrilha, não uma sociedade.

Choramos todos...
MATEM OS ASSASSINOS, ouço em todo canto.
Me calo. Quero eles soltos, já que eles mesmos estão muito mais mortos que o menino que já se foi... É outro capítulo, é hoje, é amanhã, é "e agora?"...

Redução de maioridade penal é piada da sociedade da capital.
Talvez devessem todos pararem de cheirar pó e fumar maconha.
Talvez devessem todos acharem um absurdo os colégios públicos serem os mais vergonhosos resultados que se têm em dez anos.
Talvez devessem achar um absurdo os hospitais serem açougues.
Os policiais, bandidos, milícias...

João já tinha morrido faz tempo.
Mas só agora 3 meninos - tão vítimas quanto - nos mostraram o corpo.

4 comentários:

beatriz disse...

Como sempre escrevendo verdades, muitas vezes estas difíceis de serem encaradas...

Adoro ler seus textos!

Beijo meu amigo!

Beatriz disse...

essa semana o mundo também teve a possibilidade de ver o descobrimento de dois esqueletos abraçados.. uma cena super emocionante.. de um casal que faleceu 5 mil anos atrás..

quero ler um texto seu sobre amor, se vc acha q é eterno...
;-)
beijo!

Vívian disse...

O triste é saber que daqui a uma semana, ninguém mais saberá quem é João. Aliás, daqui a uma semana, estaremos todos tomados pelo "espírito da folia". Inclusive eu, inclusive você...
Marx disse que "a religião é o ópio do povo". No caso do Brasil, o carnaval e a copa do mundo teriam que ser incluídos na frase.
Questão de sobrevivência. Não que eu não me importe, não que eu não me revolte, não que eu não fique tocada, triste e pensando no que pode ser feito para mudar essa situação. O problema é que no fim das contas, eu vejo que sou tão insignificante perto de quem detem o poder e pode mudar essa realidade, que só me resta tentar não ser o próximo João, a próxima Gabriela ou outros tantos que não viraram notícia..

David Lima disse...

obrigado pelos comentários.
as vezes penso que falo pra paredes.

do I ?